Tem de fazer download do Flash Player para ouvir a música desta página
 
 
 
A importância da Divulgação Científica   A Cultura Integral do Indivíduo   O Matemático   O Problema da Cultura   Conceitos Fundamentais da Matemática
 


Bento de Jesus Caraça, cedo se apresentou como um homem de cultura politicamente empenhado, que se regeu pelo objectivo cimeiro de “levar a cultura” às massas. Conhecendo-se a si próprio e ao mundo que o envolve, o Homem aperfeiçoar-se-á e terá as ferramentas necessárias para lutar contra a opressão. Ideias demasiado inovadoras para então…
Os Conceitos Fundamentais da Matemática, publicados em duas edições na Biblioteca Cosmos (1941/ 42), surgem em plena segunda guerra mundial, e num país que embora longe de uma participação activa, se via marcado pelo analfabetismo, pela fome e pela repressão do regime.
A matemática apresentava-se como um instrumento privilegiado para o conhecimento do universo e o seu cariz profundamente prático levava a que fosse importante colocá-la à disposição de todos. A divulgação científica encontrava em Bento de Jesus Caraça um orador de respeito.
Os grandes vultos da cultura da época nem sempre se mostraram afáveis com as ideias de Bento de Jesus Caraça que continuava a defender “simplicidade na forma de exprimir e rigor máximo na forma de expor”. António Sérgio, por exemplo, manteve durante 8 exemplares da revista Vértice uma “acesa discussão” com Bento de Jesus Caraça. António Sérgio discordava não só das concepções de Ciência apresentadas por Bento de Jesus Caraça, como da sua vontade de divulgar a ciência a todos que originaria “ a incompreensão dos leitores e a barbarização dos leitores”.
Caraça contrapunha dizendo que pretendia “trazer ao nível do homem comum o património cultural comum. Não se trata de literatice, mas sim de cumprir um programa fundamental para a formação do indivíduo culto e liberto.”

A obra-prima de Bento de Jesus Caraça rejeitou as atitudes mecânicas, passivas e treinadas e valorizou a génese conceptual, na qual a matemática surge como fruto da sociedade – dela depende e por ela se justifica.
Em a “Cultura Integral do Indivíduo”; Bento de Jesus Caraça afirma que para que um homem possa aceder à cultura tem que ser economicamente independente, daí a necessidade de resolver urgentemente este abrangente problema social. Sendo o ser humano um “ser indefinidamente aperfeiçoável”, o acesso ao património cultural comum, irá ser o melhor meio para a construção de uma sociedade justa e pacífica.

Mas que “cultura” era esta tão apregoada por Bento de Jesus Caraça?

A sua cultura era a síntese de arte e ciência, uma vez que não existe incompatibilidade entre as duas. Na sua conferência: “Algumas reflexões sobre a Arte afirmou: “ a criação intelectual e artística têm o mesmo fundamento e, se assim é, estranho seria que elas fossem independentes uma da outra. “ E é precisamente aqui que a Matemática desempenha um lugar privilegiado, uma vez que é simultaneamente arte e ciência.

A Matemática apresenta-se como um saber que permanentemente interage com outros saberes tão diversos como a Música, a Literatura, as Artes Plásticas, a Arquitectura ou até mesmo a Poesia. Os temas matemáticos percorreram e sempre percorrerão os saberes anteriormente enunciados.

O conhecer, o belo, os objectivos de ordem moral estão sempre presente na obra de Bento de Jesus Caraça, apesar de nunca ter sido um crítico ou teorizador de arte. O que pretendeu, foi sim mostrar que “a arte desempenha papel de união de grupos à volta de sentimentos ou de ideias, a função da arte é ser agente de comunhão humana.”

A polícia política da época chegou a interromper algumas conferências proferidas por Caraça e outros sobre Arte. O regime tinha perfeita noção de que a arte pode ser subversiva e as suas relações com a vida social demasiado audazes, para não serem silenciadas. Consciente disso mesmo Bento Jesus Caraça escreveu na “Cultura Integral do Indivíduo”: “ A aquisição da cultura significa uma elevação constante, servida por um florescimento do que há de melhor no homem e por um desenvolvimento sempre crescente de todas as suas qualidades potenciais, consideradas do quádruplo ponto de vista físico, intelectual, moral e artístico, significa numa palavra, a conquista da liberdade”.